Música / Slash no Brasil
13/03/2015 16:05 (atualizado em 13/03/2015 16:05)

'Música popular está cada vez mais superficial', lamenta Slash Guitarrista ex-Guns N' Roses faz seis shows no Brasil neste mês. Em entrevista ao G1, ele preferiu não falar sobre sua antiga banda.

Slash volta ao Brasil para shows em seis cidades (Foto: Divulgação/Warner)
Há quem diga que a chance de o Guns N' Roses voltar com formação original é Slash provar que está entre os caras mais gente boa do rock. Então, esqueça. Sem chance.
Em entrevista por telefone ao G1, antes dos seis shows agendados para o Brasil (veja mais abaixo), o guitarrista mostrou ter tolerância bem próxima do zero.

"A música popular tem se tornado cada vez mais superficial", disse ele, nitidamente impaciente. "O que é diferente fica longe das paradas. O que toca é comercial, pré-fabricado. É um sinal dos tempos, não sei quanto vai durar. Espero que pouco. As pessoas estão ficando cansadas."

O músico cabeludo cortou o papo antes do tempo, quando sua antiga banda foi citada pelo G1. Algo estranho, posto que toca várias canções do Guns nesta turnê.
Antes, resmungou quando perguntado sobre vezes anteriores que veio ao Brasil. "Todos os brasileiros perguntam isso, por quê?"

Aos 49 anos, Slash retorna para shows com o cantor Myles Kennedy e a banda The Conspirators. Ex-professor de guitarra e já ouvido com a banda Alter Bridge, Kennedy é um dos maiores parceiros de Slash nos últimos anos.
"Nós temos uma conexão boa desde o começo. Somos parecidos. Não sei por que, só sei que tiro o máximo de vantagem, somos bons juntos", explica.

No show, ele toca canções novas ("Shadow Life", "Beneath the Savage Sun") e covers do Guns, claro. "Nightrain", "You Could Be Mine", "Mr. Brownstone", "Sweet Child O' Mine" e "Paradise City" costumam ser lembradas. "Parece que as músicas novas e as velhas funcionam juntas", opina o músico. "Pensar fora da caixa é ser perigoso. Todos esperam que repita as coisas que você já fez."

Terror + rock = rebelião
Além do rock, Slash também se dedica aos filmes de terror. Desde 2010, é dono da Slasher Films. "A coisa mais parecida com o rock é que os dois têm um lado obscuro óbvio, mas hoje estão meio longe do mainstream. Fazer rock e filmes de terror é algo alternativo, quase uma rebelião", compara o guitarrista, que produziu "Nothing Left to Fear", de 2013.
"Você tem que amar o que faz, tem que trabalhar bastante. Eu não penso em termos de técnica, tem que tocar, tocar e tocar. É isso que falo para os guitarristas em começo de carreira que me param na rua e pedem dicas."
Slash no Brasil
Rio
Quando: 14 de março
Onde: Fundição Progresso - Rua dos Arcos, 24 - Centro
Ingressos: R$ 240 (pista), R$ 120 (pista meia). Pista Vip esgotada

Belo Horizonte
Quando: 15 de março
Onde: Galopeira - Avenida Tereza Cristina, 179 - Prado
Ingressos: R$ 240 (pista), R$ 120 (pista meia). Pista Vip esgotada

Brasília
Quando: 17 de março
Onde: Net Live - SHTN Trecho 2, Quadra 5 Bloco A - Asa Norte
Ingressos: R$ 200 (pista), R$ 100 (pista meia), R$ 190 (Vip meia) e R$ 390 (Vip)

Curitiba
Quando: 19 de março
Onde: Marter Hall
Ingressos: R$ 386 (Vip), R$ 196 (vip meia), R$ 116 (pista meia) e R$ 226 (pista)

Porto Alegre
Quando: 20 de março
Onde: Pepsi on Stage
Ingressos: R$ 118,80 (pista), R$ 288 (pista premium) e R$ 240 (mezanino)

São Paulo
Quando: 22 de março
Onde: Espaço das Américas - Rua Tagipuru, 795 - Barra Funda
Ingressos: R$ 420 (pista Vip) e R$ 240 (pista)

Fonte: G1

Leia também...