Inovação
15/05/2015 09:36 (atualizado em 15/05/2015 09:38)

Migueloestino receberá prêmio internacional de pesquisa Filho de empresários de São Miguel do Oeste, Charley Staats é professor da UFRGS e será premiado pela Sociedade de Micologia Médica das Américas. O professor investiga como o sistema imunológico impede um fungo de causar um tipo forte de meningite

Charley Staats é filho dos empresários migueloestinos Elenir e Ditmar Ingo Staats e é professor da UFRGS desde 2010 (Foto: Ramon Moser)
O migueloestino Charley Christian Staats, 36 anos, filho dos empresários de São Miguel do Oeste Elenir e Ditmar Ingo Staats, será premiado pela Sociedade de Micologia Médica das Américas. Charley é professor da UFRGS desde 2010, líder do grupo do Centro de Biotecnologia, docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Biologia Celular e Molecular e docente do Departamento de Biologia Molecular e Biotecnologia (IB). Ele receberá o prêmio Thomas J. Walsh Young Investigator durante a 115ª American Society for Microbiology General Meeting, a ser realizada na cidade de New Orleans, EUA.
O prêmio é concedido pela Medical Mycological Society of the Americas (MMSA) a jovens pesquisadores que, nomeados por um comitê da própria MMSA, destacam-se por suas realizações, pelo potencial promissor para futuras contribuições na área de micologia médica. O comitê selecionou o nome do professor Staats como ganhador do prêmio tendo em vista seu potencial como líder em estudos em Micologia no Brasil, envolvimento com a Pós-Graduação e pesquisas em colaboração nacional e internacional.

O que pesquisa o professor?

Staats investiga como o sistema imunológico impede que Cryptococcus neoformans, uma levedura patogênica (fungo) que pode provocar um tipo forte de meningite, cause infecção. Mais especificamente, como uma pequena parte dos mecanismos de defesa impossibilita a levedura de se multiplicar, pela restrição de fontes de nutrientes para o fungo. E ainda como as células da levedura tentam sobrepor à defesa. O professor faz a caracterização dos eventos moleculares que ocorrem nesse processo.
São realizados testes com modelos in vitro, utilizando células de camundongos imortalizadas, que resguardam as funções em macrófagos (primeira linha de defesa do organismo). A partir desse ponto, pode-se chegar a conhecimento válido para outras doenças. O futuro da pesquisa pode envolver a utilização de medicamentos que auxiliam a célula a restringir o crescimento da levedura.

Relevância da premiação

No mundo, mais de 100 grupos pesquisam Cryptococcus neoformans, fungo causador da meningite criptocócica, que infecta mais de 1 milhão de pessoas por ano, com taxa média de mortalidade de 60 %. A enfermidade afeta especialmente pacientes com grau do comprometimento no sistema imunológico (a exemplo de pessoas com AIDS e transplantados), mas também há registros de casos envolvendo indivíduos de saúde normal (como recente surto em Vancouver, Canadá, aparentemente em avanço para o nordeste dos Estados Unidos).
A pesquisa é realizada desde 2010, quando o professor Staats ingressou como docente no Centro de Biotecnologia da UFRGS, com publicação dos resultados de seus estudos em revistas de impacto mundial. “É uma área de pesquisa bastante competitiva, por isso fico contente com o prêmio, porque representa que estou no caminho certo”, declara o professor Staats.

Galeria de fotos

Fonte: UFRGS / Gazeta Catarinense

Leia também...