POLÍTICA
28/05/2018 21:37 (atualizado em 31/12/1969 21:00)

Governador Eduardo Moreira pede saída do presidente da Petrobras O governador ouviu a atualização de todos os setores do governo, com relação ao impacto da paralisação dos caminhoneiros, que hoje chegou ao 8º dia, e destacou a gravidade do momento, pedindo bom senso do movimento grevista

Foto Jeferson Baldo | O governador Eduardo Pinho Moreira voltou a criticar a política de preços do combustível e foi enfático ao dizer que o presidente da Petrobras, Pedro Pullen Parente, precisa deixar o cargo
Em reunião colegiada do Centro Integrado de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cigerd), na noite desta segunda-feira, dia 28, o governador Eduardo Pinho Moreira voltou a criticar a política de preços do combustível e foi enfático ao dizer que o presidente da Petrobras, Pedro Pullen Parente, precisa deixar o cargo. “Não há mais condições dele permanecer no cargo. O Brasil caminha para o abismo e a sociedade não pode pagar a conta de uma série de equívocos”, declara.
O governador ouviu a atualização de todos os setores do governo, com relação ao impacto da paralisação dos caminhoneiros, que hoje chegou ao 8º dia, e destacou a gravidade do momento, pedindo bom senso do movimento grevista. “É claro que o movimento tem as suas razões, as suas justificativas e a sua legitimidade em função de uma política equivocada de preços da Petrobras, com consequências graves para o setor de transportes de cargas e para a própria população”, avaliou.
Ainda, segundo Moreira, Santa Catarina tem o menor imposto sobre o combustível. “Trabalhamos para não aumentar impostos e estamos reduzindo gastos públicos. Priorizamos o desenvolvimento e o reconhecimento à força do trabalhador catarinense. Todos precisam fazer a sua parte”, disse.
Moreira frisou que o Brasil é um país que vive sobre rodas com mais de 70% da  produção distribuída pelo país através de caminhões. “Eles precisam entender que o que está acontecendo agora trará consequências para as próximas semanas e até os próximos meses. As cargas que estão sendo deterioradas agora demorarão tempo para se recuperar. É um prejuízo muito expressivo para Santa Catarina onde 30% da riqueza vêm do agronegócio”, declara.
Por fim, o governador concorda que “o equívoco de aumentos diários não poderia continuar”, mas que é preciso pensar no peso das consequências. “Os caminhoneiros já obtiveram importantes vitórias e garantias, agora é hora de refletir e entender que a população brasileira precisa de bom senso”, concluiu.

Galeria de fotos

Fonte: Ascom/Jornal Expresso d'Oeste

Leia também...